Criança não namora, nem de brincadeira…

Criança não namora, nem de brincadeira…

Há um tempo postei, nas redes sociais do blog falando que o Daniel estava com um papinho sobre namoro. Curiosidade infantil é comum, mesmo porque eles observam o ambiente onde vivem, e isso ajuda no desenvolvimento da criança. Mas quero deixar claro minha opinião, criança não namora, nem de brincadeira!

#BomDia para você que tem um pequeno #DomJuan #maedemenino #maedemeninos #oamorconstroi #EducaçãoComApego

A post shared by Camila Pagamisse (@baudemenino) on

Incentivar a ideia de namoro nas crianças é uma forma de “adultização” infantil, ou seja, o processo de acelerar o desenvolvimento das crianças, seja pela forma de se vestir, se portar, escolhas de músicas e desenhos, coreografias e, criando a falsa ideia de que é legal crianças namorarem.

Gabriel tem 13 anos, e sempre fiz cara feia quando alguém perguntava (quando menor) se ele já estava namorando… Praticamente como na tirinha do Armandinho!

Não a adultização infantil

“Nossa, como ele está mocinho… Já está namorando?”

Não! Não está namorando… desenvolvimento infantil não tem relação alguma com namoro!

Incentivar atitudes que não são pertinentes à idade é errado, e mais errado ainda é incentivar os filhos dos outros…

A adultização altera o comportamento da criança, impedindo que ela viva o brincar, essencial para o desenvolvimento infantil.

Aqui em casa existe carinho e muita demonstração de afeto, normal que essa curiosidade surgisse, apesar que com o Gabriel não foi assim, ele não questionou esse assunto com a idade do Daniel, mas como sempre falo, tudo muda de criança para criança.


Leia mais…

Esmalte para criança, pode?

Sororidade e Maternidade – para mães unidas e mais fortes

Na maternidade tudo é ao vivo, e muito no improviso!

Dicas e produtos que podem ajudar no desfralde


O bom é que o questionamento gera diálogo, e também o esclarecimento. E abrir espaço para que os filhos tirem suas dúvidas com os pais é algo de extrema importância no decorrer do convívio, desde a infância, passando pela adolescência até chegar na fase adulta.

Por isso, falar abertamente e de forma clara é criar um vínculo de confiança entre pais e filhos.

Deixei bem claro para o Daniel (6 anos, mas havia comentado aos 5), e também aproveitei para conversar com o Gabriel (13 anos, e bem na fase do turbilhão hormonal), que é obrigação da criança brincar e estudar. Que cada fase deve ser vivida com intensidade, pois elas não voltarão. Por isso, namorar é para adultos, crianças brincam e estudam, não namoram!

A fase de compreensão e amadurecimento é muito importante, e cada idade tem suas necessidades. Não é fácil ser criança! E por quê tornar isso mais difícil?

Pesquisando sobre o assunto, descobri que o Governo do Estado do Amazonas lançou a campanha “Criança não namora, nem de brincadeira!”, e já compartilhei nas redes sociais do blog. A ação está ganhando uma enorme visibilidade, e torço para que atinja o objetivo, a conscientização dos pais.

criança não namora

campanha criança não namora

Então, que o único namoro infantil seja igual a do Armandinho… pela goiabeira do vizinho!

não adultize seu filho

Por uma infância de brincar livremente, de desenvolvimento contente, e lindas lembranças!

Imagens de capa: Pixabay

FACEBOOK // INSTAGRAM // PINTEREST

 

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *